SE

  • -

SE


Traduzido por Ângelo Augusto Decânio Filho

Se és capaz
De manter a calma quando todos já a perderam e te culpam
Crer em ti mesmo quando todos estão duvidando
E mesmo assim os desculpar!
Se és capaz
De esperar sem desesperar
Ser enganado e não mentir ao mentiroso
Odiado, não se envolver no ódio
Não parecer bom demais, nem pretensioso!
Se és capaz
De pensar sem se escravizar aos pensamentos
Sonhar sem permanecer no sonho
Enfrentar a derrota e o triunfo com a mesma serenidade!
Se és capaz
De sofrer a dor de ver transformada em mentira
A verdade que propagar
A razão de sua vida estraçalhada pelos cães
E mesmo assim
Levantar e recomeçar com o que te resta!
Se és capaz
De arriscar numa única parada tudo que ganhastes na vida
Perder e sem lamentar voltar ao ponto de partida
Recomeçar com o pouco que te resta!
Se és capaz
De forçar coração e espírito a buscar o que neles ainda existe
Obrigando-os a continuar
Porque tua Vontade diz
Persiste!
Se és capaz
De conviver com a plebe sem se vulgarizar
Freqüentar palácios sem perder a naturalidade
Dos amigos, bons ou maus, não depender
Pronto a todos servir com prazer!
Se és capaz
De dar ao tempo
Segundo por segundo
Todo brilho e valor que merece!
TUA ÉS A TERRA COM TUDO QUE EXISTE NESTE MUNDO
E
MUITO MAIS DO QUE TUDO ISTO

ÉS UM HOMEM!



  • -

IÊ !

Iê !
Meu grito ganhou o espaço
partiu grilhões
correu mato
virou quilombos

Iê !
É a liberdade dita, que nunca chegou
A liberdade ganhada, mas que não vingou
Não é o que se quer.
Lutar, resistir, reagir
me caem melhor.

Iê !
Ouvidos ouviram meu canto
palmas marcaram meu ritmo
do silêncio se fez som
Cabaças contaram de tempos de sonho

Iê !
O grito ecoou nas esquinas
Nas senzalas, casas-grandes
nas minas
brilhou como ouro, café, açúcar e sangue
E mágoa, e humilhação,
e preconceito.
E resistência, e fé,
e esperança.

Iê !
E meu grito de medo e dor
ganhou tons de revolta
de justiça
de liberdade
Ganhou inocência de menino
e veneno de cascavel

Iê !
Meu grito que agora anda torto
que tem flor na lapela
e navalha na mão
Meu grito que joga

Iê !
E se fez resistência
que traz no pé a força
no olhar, a mandinga
e no coração, liberdade

Iê !
Hoje meu canto é alegre
No peito não mais trago dor
Meu grito se fez corrente, elo
Meu grito se fez jogador

… e que brinca no cais
ou no pé da ladeira
Iê ! e é arte
Iê ! é luta
Iê ! é capoeira.


Links Patrocinados

Portal Capoeira Mobile